sábado, 20 de julho de 2013

Leitura Crítica da Mídia: DONOS DA MÍDIA

Projeto Donos da Mídia reúne dados públicos e informações fornecidas pelos grupos de mídia para montar um panorama completo da mídia no Brasil. Aqui estão detalhadas diversas informações sobre os seguintes tipos de veículos: emissoras e retransmissoras de TV; rádios AM, FM, Comunitárias, OT e OC; operadoras de TV a cabo, MMDS e DTH; canais de TV por assinatura; e as principais revistas e jornais impressos.


Este projeto nasceu ainda na década de 80, a partir de um trabalho pioneiro elaborado pelo jornalista Daniel Herz. Sua fase pública tornou-se viável após o surgimento de recursos disponibilizados pelas novas tecnologias de informação e de comunicação. Também contribuiu para isso a publicização de dados sobre concessões e permissões de emissoras de rádio e televisão, além das participações societárias destas entidades, que passaram a ser difundidos por sistemas interativos da Agência Nacional de Telecomunicações e do Ministério das Comunicações.



Leitura Crítica da Mídia: MEIO AMBIENTE - ECOAGÊNCIA


A EcoAgência Solidária de Notícias Ambientais foi criada por voluntários do Núcleo de Ecojornalistas do Rio Grande do Sul – NEJ/RS, em 2003, no Fórum Social Mundial, em Porto Alegre, quando os ecojornalistas perceberam que as pautas de meio ambiente recebiam pouca atenção da imprensa.

O NEJ/RS, pioneiro no país, foi fundado em Porto Alegre em 22 de junho de 1990.  A partir de sua experiência, surgiram outros núcleos no Brasil. Por iniciativa do NEJ/RJ foram criadas a Rede Brasileira de Jornalismo Ambiental em 1998, e a Rede de Comunicação Ambiental da América Latina e do Caribe em 2000. 

Além da Ecoagência, o NEJ/RS mantém o programa de rádio Sintonia da Terra, na Rádio da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, em Porto Alegre. O programa vai ao ar às quintas-feiras, às 10h05min e é disponibilizado para download no site da Ecoagência, podendo ser reproduzido gratuitamente. Mensalmente, às terças-feiras, o NEJ/RS promove o evento "Terças Ecológicas" que reúne especialistas para debates abertos ao público. 


Site da Ecoagência: http://www.ecoagencia.com.br/


Leitura Crítica da Mídia: MULHERES

Coletivo Feminino Plural: organização fundada em 1996, em Porto Alegre, Rio Grande do Sul, atua no movimento de mulheres por meio de articulações locais, regionais, nacionais e internacionais, integrando redes e campanhas, propugnando por políticas públicas, o cumprimento dos instrumentos nacionais e internacionais de direitos humanos das mulheres e o fim de todas as formas de violências e discriminações sobre mulheres e meninas. Trabalha pelo empoderamento feminino e integra grupos de relatoria e monitoramento das Convenções e Tratados Internacionais. Presta assessoramento e consultoria sobre políticas públicas, ministra cursos e capacitações.

http://femininoplural.org.br/site/




Rede Nacional Feminista de Saúde, Direitos Sexuais e Direitos Reprodutivos: articulação política nacional do movimento de mulheres, feminista e antirracismo, fundada em 1991. Tem abrangência nacional, estando composta por 12 Regionais organizadas no Pará, Paraíba, Paraná, Pernambuco, Goiás, Bahia, Minas Gerais, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul, São Paulo, Santa Catarina e Distrito Federal. Está presente em cerca de 30 instâncias nacionais, governamentais e não-governamentais que incidem sobre as políticas públicas de saúde. Integra relatorias nacionais e internacionais de saúde e direitos humanos das mulheres. 







Comitê da América Latina e do Caribe para os Direitos da Mulher (CLADEM/Brasil): rede feminista que trabalha para contribuir à plena vigência dos direitos das mulheres na América Latina e Caribe, utilizando o direito como um instrumento de mudança. Conta com status consultivo na Categoria II perante as Nações Unidas desde 1995 e goza de reconhecimento para participar nas atividades da OEA desde 2002.


http://www.cladem.org/index.php





Núcleo Interdisciplinar de Estudos sobre Mulher e Gênero (NIEM/UFRGS): vinculado ao Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, conta com a participação de professoras/es, pesquisadoras/es, funcionárias/os e alunas/s de diversas áreas. Atua desde 1984 como articulador dos segmentos feminino e masculino junto ao meio acadêmico e como elemento de ligação entre a Universidade e a Comunidade Rio-grandense. Fomenta o ensino e a pesquisa sobre a Questão da Mulher e as Relações de Gênero por meio da realização de programas e eventos junto aos meios científicos e feministas locais, nacionais e internacionais.




Articulação de Organizações de Mulheres Negras Brasileiras: tem como missão promover uma política articulada de ONGs de mulheres negras brasileiras na luta contra o racismo, o sexismo, a opressão de classe, a lesbofobia e outras formas de discriminação, contribuindo para a transformação das relações de poder e para a construção de uma sociedade equânime.

http://www.amnb.org.br/site/






Associação Casa da Mulher Catarina: grupo feminista autônomo organizado desde maio de 1989 em Florianópolis, é um projeto de extensão do Departamento de Saúde Pública da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Promove seminários, palestras, oficinas, cursos e programas de capacitação nas ações de controle social dentro da perspectiva de gênero, raça/etnia, em conjunto com as prefeituras municipais, governos estaduais, diversos Ministérios, demais grupos e redes feministas.Participa da formulação e reivindicação de políticas visando fortalecer a condição feminina. Presta consultoria sobre todos os temas em que atua. 


http://www.casadamulhercatarina.com.br/




Comissão de Cidadania e Reprodução (CCR):  fundada em 1991, com sede em São Paulo, no  Centro Brasileiro de Análise e Planejamento (CEBRAP), reúne profissionais das áreas de ciências sociais, médicas, humanas e jurídicas e incide sobre as realidades nacionais, produzindo informação e gerando subsídios para a atuação de movimentos sociais e a formulação e monitoramento de políticas públicas. Através da realização de pesquisas, do desenvolvimento de metodologias inovadoras de atuação e pela produção de conhecimento e de debates, a CCR potencializa o pensamento estratégico e o fluxo de informações entre diferentes segmentos da sociedade. 


http://www.ccr.org.br/





ECOS - Comunicação em Sexualidade: organização não-governamental com sede em São Paulo, tem 20 anos de atuação consolidada na defesa dos direitos humanos com ênfase nos direitos sexuais e direitos reprodutivos, em especial de adolescentes e jovens, com a perspectiva de erradicar as discriminações relativas a gênero, orientação sexual, idade, raça/etnia, existência de deficiências, classe social.  As atividades estão estruturadas em cinco eixos: comunicação, projetos e pesquisas, educação continuada e capacitação, advocacy e consultoria. 

http://www.ecos.org.br/index2.asp


Gestos - Soropositividade, Comunicação e Gênero: fundada em maio de 1993, com sede em Recife, Pernambuco, a Gestos tem por objetivo defender os Direitos Humanos das pessoas soropositivas para o HIV e das populações vulneráveis às doenças sexualmente transmissíveis e ao vírus que provoca a AIDS. A instituição atua nas áreas de Educação, Comunicação e Políticas Públicas na perspectiva da Cidadania Sexual, Equidade de Gênero e Justiça Social. Além de programas realizados junto às populações de baixa renda, a Gestos monitora e incide em políticas públicas, em atuação que alcança espaços de controle social nas esferas local, regional e internacional, bem como em conselhos municipais, estaduais, nacionais e em articulação direta no espaço das Nações Unidas e suas agências. 









Instituto Brasileiro de Inovações pró-Sociedade Saudável/Centro Oeste (IBISS/CO)criado em 1993, tornou-se autônomo em 2000. Executa ações com grupos em situação de vulnerabilidade e discriminação, estimulando o protagonismo e a visibilidade sócio-política. Entre os serviços que presta estão a construção de metodologias e ferramentas sociais envolvendo lideranças e organizações de base; assessoria a gestores públicos e organizações não-governamentais; articulação de ações, políticas e atores sociais com vistas ao empoderamento coletivo; pesquisa, monitoramento e avaliação do impacto de grandes projetos de desenvolvimento e políticas públicas; extensão universitária com formação de estudantes por meio de estágio e apoio à pesquisa; produção de publicações, participação em mesas de conversação, capacitação e debates.

http://www.ibiss-co.org.br/site/



Plataforma DHESCA Brasil: articulação nacional de 36 movimentos e organizações da sociedade civil que desenvolve ações de promoção, defesa e reparação dos Direitos Humanos Econômicos, Sociais, Culturais e Ambientais (abreviados em Dhesca), visando ao fortalecimento da cidadania e à radicalização da democracia. Atua em três frentes: Monitoramento em Direitos Humanos no Brasil; Integração Regional e Relatorias de Direitos Humanos.

http://www.dhescbrasil.org.br/



THEMIS Gênero, Justiça e Direitos Humanos: criada em 1993 por um grupo de advogadas e cientistas sociais feministas com o objetivo de enfrentar a discriminação contra mulheres no sistema de justiça. Sua missão é ampliar as condições de acesso à justiça. É uma organização não-governamental com sede em Porto Alegre (RS/Brasil).
http://themis.org.br/





Agência Patrícia Galvão: iniciativa do Instituto Patrícia Galvão, criada em 2009 para atuar na produção de notícias e conteúdos sobre os direitos das mulheres brasileiras. Pretende dar maior amplitude à cobertura jornalística, influindo no comportamento editorial sobre problemas, propostas e prioridades que atingem 51% da população do país: as mulheres.

http://www.agenciapatriciagalvao.org.br/







sexta-feira, 19 de julho de 2013

Leitura Crítica da Mídia: ALiados - Rede de Jornalismo Independente

Veículos digitais de jornalismo independente da América Latina juntam-se em nova associação


Da esq. para a dir.: Martín Rodríguez Pellecer (Plaza Pública), Gustavo Gorriti (IDL-Reporteros), Graciela Mochkofsky y Gabriel Pasquini (el puercoespín), Daniel Moreno (Animal Político), Mónica González (CIPER), Carlos Dada (El Faro), Patricio Fernández (The Clinic), Juanita León (La Silla Vacía) e Natalia Viana (Agencia Pública).
Dez veículos digitais de jornalismo investigativo da América Latina reuniram esforços e criaram a ALiados, uma rede para fortalecer a cooperação mútua e buscar novas formas de sustentabilidade para o jornalismo independente. A ALiados nasceu em Buenos Aires, no dia 15 de junho, onde representantes desses veículos encontraram-se para discutir e assinar um manifesto de fundação, a Declaração de Al Maitén.
Fazem parte da ALiados a Agência Pública (Brasil), Animal Político (México), CIPER (Chile), Confidencial (Nicarágua), El Faro (El Salvador), El Puercoespín (Argentina), IDL-Reporteros (Peru), La Silla Vacía (Colombia), Plaza Pública (Guatemala) e The Clinic (Chile). Embora muito diferentes entre si, os veículos têm diretrizes comuns, expressos na Declaração: "qualidade profissional, transparência de procedimentos, independência de poderes políticos e econômicos e a precisão factual com que informam sobre realidades da América Latina e do mundo de uma forma que não fazem os veículos tradicionais da região".
Muitos dos membros da ALiados já se conheciam e haviam se reunido em maio deste ano durante o 6o Colóquio Íbero-Americano sobre Jornalismo Digital, onde nasceu o embrião da associação. Organizado pelo Centro Knight na Universidade do Texas, em Austin, o Colóquio tratou de questões-chave do jornalismo digital, como sustentabilidade, diversificação de renda e aumento de tráfego e de audiência.
"Foi um encontro muito produtivo, com um foco claro em colaboração e sustentabilidade", avalia o professor Rosental Calmon Alves, diretor e fundador do Centro Knight, que também esteve presente em Buenos Aires para a fundação da ALiados. "Sites de notícias independentes do México a Argentina discutiram formas de ajudar uns aos outros para desenvolver estratégias para financiar o jornalismo profissional e de qualidade que eles praticam em seus países. Os sites são bem diferentes uns dos outros, mas estão unidos em torno desse objetivo comum: produzir jornalismo de qualidade e contribuir para a democracia e transparência em seus países".
Em busca de novas formas de sustentabilidade para o jornalismo investigativo digital, a ALiados organizará programas e iniciativas conjuntas, como o apoio de doadores e do público. Para Gabriel Pasquini, diretor do site argentino El Puercospín e um dos organizadores da rede, a constrção de redes "é um passo inevitável do desenvolvimento do jornalismo digital, especialmente em uma região do mundo onde compartilhamos um idiomas e, em muitos casos, temas e problemas que ultrapassam fronteiras".
Conheça um pouco mais os membros da rede ALiados:
  • Agência Pública (Brasil): Agência digital de jornalismo investigativo, cobre principalmente violações de direitos humanos na ditadura militar, megainvestimentos na Amazônia e a Copa do Mundo de 2014 no Rio de Janeiro.


  • Animal Político (México): Portal de noticias focado em informação política, reivindica uma linguagem diferente daquela usada pelos veículos tradicionais.


  • CIPER (Chile): O Centro de Investigação Jornalística é uma fundação sem fins lucrativos, criada para desenvolver reportagens de investigação segundo princípios da máxima qualidade e integridade profissional.


  • Confidencial (Nicarágua): fundado em 1996 como semanário de informação e análise, em 2010 se transformou em jornal digital interativo, mantendo sua edição impressa. Foca em conteúdos multimídia em parceria com programas de televisão.


  • El Faro (El Salvador): nasceu em 1998, quase uma década antes de a revolução digital absorver a indústria jornalística e quando El Salvador havia acabado de sair de uma guerra civil violenta. Focado em jornalismo crítico do poder.


  • Plaza Pública (Guatemala): veículo online de análise, investigações e debates, fundado em 2011 pela Universidade Rafael Landívar. Publica reportagens sobre as dinâmicas do poder que atentam contra a dignidade da população.


  • The Clinic (Chile): mistura sátira e humor político à crítica social. Nasceu em 1998 como um panfleto impresso para zombar do ex-ditador Agusto Pinochet.É a revista mais lida do Chile, e seu site é igualmente popular.

segunda-feira, 15 de julho de 2013

Leitura Crítica da Mídia: OBSERVATÓRIO DE FAVELAS

O Observatório de Favelas é uma organização social de pesquisa, consultoria e ação pública dedicada à produção do conhecimento e de proposições políticas sobre as favelas e fenômenos urbanos. Busca afirmar uma agenda de Direitos à Cidade, fundamentada na ressignificação das favelas, também no âmbito das políticas públicas.
Criado em 2001, o Observatório é desde 2003 uma organização da sociedade civil de interesse público (OSCIP). Com sede na Maré, no Rio de Janeiro, sua atuação é nacional. Foi fundado por pesquisadores e profissionais oriundos de espaços populares, sendo composto atualmente por trabalhadores de diferentes espaços da cidade.


Leitura Crítica da Mídia: IJNET - Rede de Jornalistas Internacionais

IJNet.org (International Journalism Network) é o principal site global para jornalistas e diretores de meios de comunicação saberem de oportunidades de treinamento e formação de contatos. O boletim semanal da IJNet informa sobre as últimas inovações, recursos e prêmios.
A IJNet é publicada em árabe, chinês, inglês, persa, português, russo e espanhol, servindo usuários de 185 países. Permite que os usuários contribuam com conteúdo, encontrem informação de profundidade por tópico e conectem-se facilmente um com o outro.
Doadores e grupos de treinamento de mídia usam a IJNet para divulgar seu trabalho.
Site: http://ijnet.org/pt-br


Leitura Crítica da Mídia: ABRAJI - ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE JORNALISMO INVESTIGATIVO

A Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo (ABRAJI) foi criada em 2002 por um grupo de jornalistas brasileiros interessados em trocar experiências, informações e dicas sobre reportagem, principalmente sobre reportagens investigativas. A Abraji é mantida pelos próprios jornalistas, não tem fins lucrativos nem preferências políticas ou partidárias.

A missão da Abraji inclui organizar congressos, seminários e oficinas com o objetivo de promover o aperfeiçoamento profissional dos jornalistas interessados no tema “investigação”. Também edita livros sobre o assunto, estimula a trocas de experiências entre profissionais do jornalismo e atua a favor do direito de acesso a informações públicas, coordenando uma coalização de entidades. 

Site: http://www.abraji.org.br/



Leitura Crítica da Mídia: FÓRUM DE DIREITO DE ACESSO A INFORMAÇÕES PÚBLICAS

O Fórum de Direito de Acesso a Informações Públicas foi fundado em 2003 com o objetivo de agregar organizações da sociedade civil sem vínculo partidário e pressionar o governo e a sociedade pela regulamentação do direito de acesso a informação pública, já previsto na Constituição Brasileira. A coordenação do Fórum está a cargo da Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo (ABRAJI). 



Leitura Crítica da Mídia: IPS - AGÊNCIA DE NOTÍCIAS INTER PRESS SERVICE


A Agência de Notícias Inter Press Service (IPS) conta com o apoio de uma rede de jornalistas em mais de cem países. Seus clientes incluem três mil meios de comunicação e dezenas de milhares de grupos da sociedade civil, acadêmicos e outros usuários.

A IPS concentra sua cobertura de notícias nos eventos e processos globais que afetam o desenvolvimento econômico, social e político dos povos e das nações.

Em português: http://www.ips.org/ipsbrasil.net/index.php








Em espanhol: http://www.ipsnoticias.net/


domingo, 14 de julho de 2013

Leitura Crítica da Mídia: PÚBLICA - AGÊNCIA DE REPORTAGEM E JORNALISMO INVESTIGATIVO

A Agência Pública aposta num modelo de jornalismo sem fins lucrativos para manter a independência. Todas as reportagens são livremente reproduzidas por diversos veículos sob a licença creative commons

Sua missão é produzir reportagens de fôlego pautadas pelo interesse público, sobre as grandes questões do país do ponto de vista da população – visando ao fortalecimento do direito à informação, à qualificação do debate democrático e à promoção dos direitos humanos.

Os principais eixos investigativos são: os preparativos para a Copa do Mundo de 2014; megainvestimentos na Amazônia; e a ditadura militar.  Entre seus parceiros estão centros independentes de jornalismo da América Latina, dos Estados Unidos e Europa, além de veículos tradicionais e expoentes das novas mídias. Além de produzir, a Pública atua para promover o jornalismo investigativo independente, através de programas de mentorias para jovens jornalistas e bolsas de reportagem.





sábado, 13 de julho de 2013

Leitura Crítica da Mídia: CONSUMO - IDEC

O Idec - Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor - é uma associação de consumidores fundada em 1987. Não possui fins lucrativos. É independente de empresas, governos ou partidos políticos. Os recursos financeiros para o desenvolvimento de suas atividades têm sua origem nas contribuições dadas pelos seus associados, na vendas de assinaturas da Revista do Idec e outras publicações, além da realização de cursos. O Idec também desenvolve projetos que recebem recursos de organismos públicos e fundações independentes. Esse apoio não compromete a independência do Instituto.
 



sexta-feira, 12 de julho de 2013

Leitura Crítica da Mídia: OBSERVATÓRIO DE CONFLITOS E CONSTRUÇÃO DE PAZ (Barcelona, Espanha)

El observatorio intenta ser una herramienta que contribuya a la comprensión y comparación de las formas de violencia contemporáneas, así como a dar visibilidad a las numerosas conversaciones e iniciativas de paz –incluidas aquellas impulsadas por mujeres– que tienen lugar en muchos países del mundo. La información incluye acontecimientos relacionados con dinámicas del conflicto (enfrentamientos, víctimas, desplazamientos forzados, militarización, desarme, entre otras), negociaciones de paz o temas de género vinculados con la violencia o la construcción de paz. Con el apoyo del Ministerio de Exteriores de Noruega.

Site: http://escolapau.uab.cat/index.php?option=com_content&view=article&id=548:conflictos&catid=91&Itemid=144&lang=es


Leitura Crítica da Mídia: INDÍGENAS

The Asia Indigenous Peoples Pact (AIPP) is a regional organisation established by indigenous peoples’ organisations in 1992 to strengthen the struggles, cooperation and solidarity among indigenous peoples across Asia. AIPP is committed to the cause of defending and revitalizing indigenous systems; institutions and their control over their ancestral homelands; and their own development and future.








Jovens Indígenas Comunicadores


O projeto começou com três grupos de jovens ticunas e kokamas dos municípios de Benjamin Constant, São Paulo de Olivença e Tabatinga, região do Alto Rio Solimões, no Amazonas que participaram de Oficinas de Comunicação realizadas pelo UNICEF como parte do Programa Conjunto de Segurança Alimentar e Nutricional de Mulheres e Crianças Indígenas (PCSAN). Eles aprenderam a fotografar, fazer jornais murais e no computador, programas de rádio, vídeos e criaram o site, com o qual se comunicam com outros jovens. Eles formaram a Rede de Jovens Indígenas Comunicador@s do Alto Rio Solimões.









De Olho nas Terras Indígenas


De Olho nas Terras Indígenas é um painel de monitoramento socioambiental das Terras Indígenas no Brasil. Seu objetivo é contribuir para a construção de índices e indicadores sobre Terras Indígenas no país, auxiliando no diagnóstico de problemas socioambientais que ocorrem no interior dessas áreas. Também pretende colaborar para criação e melhoria de políticas públicas voltadas aos povos indígenas e de ações em defesa de seus direitos, além de iniciativas de proteção e conservação ambiental. As informações são resultado dos anos de pesquisa diária realizada pelo Programa de Monitoramento do ISA, responsável pela criação e pela manutenção do Sistema de Informação de Áreas Protegidas (SisArp). Este sistema  permite a pesquisa e a indexação de informações sobre as Terras Indígenas (TIs) e Unidades de Conservação (UCs), estatuais e federais por meio de diversos recortes espaciais e temáticos. O conjunto de informações apresentado no site não abrange a totalidade de dados do SisArp, pois traz somente dados que foram consolidados e cujos temas são relevantes para a elaboração de um panorama da situação atual de cada uma das Terras Indígenas existentes no país. Os temas são: “Povos, Línguas e Demografia”, “Direitos Territoriais”, “Gestão”, “Ambiente”, “Sobreposição” e “Pressões e Ameaças”.




Movimento Xingu Vivo Para Sempre 

Movimento Xingu Vivo para Sempre (MXVPS) é um coletivo de organizações e movimentos sociais e ambientalistas da região de Altamira e das áreas de influência do projeto da hidrelétrica de Belo Monte, no Pará, que historicamente se opuseram à sua instalação no rio Xingu. Além de contar com o apoio de  organizações locais, estaduais, nacionais e internacionais, o MXVPS agrega entidades representativas de ribeirinhos, pescadores, trabalhadores e trabalhadoras rurais, indígenas, moradores de Altamira, atingidos por barragens, movimentos de mulheres e organizações religiosas e ecumênicas.




Conselho Indigenista Missionário (CIMI) 

O Cimi é um organismo vinculado à CNBB (Conferência Nacional dos Bispos do Brasil) que, em sua atuação missionária, conferiu um novo sentido ao trabalho da igreja católica junto aos povos indígenas.
Criado em 1972, quando o Estado brasileiro assumia abertamente a integração dos povos indígenas à sociedade majoritária como única perspectiva, o Cimi procurou favorecer a articulação entre aldeias e povos, promovendo as grandes assembléias indígenas, onde se desenharam os primeiros contornos da luta pela garantia do direito à diversidade cultural.




Conselho de Missão entre Índios (Comin)

O Conselho de Missão entre Índios (Comin) é um órgão da Igreja Evangélica de Confissão Luterana no Brasil (IECLB). Foi criado em 1982, com a finalidade de assessorar e coordenar o trabalho da IECLB com os povos indígenas em todo Brasil. Para atender este objetivo, o Comin se faz presente junto a alguns povos e comunidades indígenas, criando parcerias e dando apoio nas áreas da educação, saúde, terra, organização e auto-sustentação. O Comin tem como princípio e compromisso apoiar as prioridades colocadas pelos povos e comunidades indígenas, respeitando seu jeito de ser e sua cultura, trabalhando com eles e não por eles.

Site: http://www.comin.org.br/


quinta-feira, 11 de julho de 2013

Leitura Crítica da Mídia: CARTA MAIOR


A Carta Maior é uma publicação eletrônica multimídia que nasceu por ocasião da primeira edição do Fórum Social Mundial, em janeiro de 2001, em Porto Alegre. Tem o compromisso de contribuir para desenvolver um sistema de mídia democrática no Brasil e, de modo mais amplo, trabalhar pela democratização do Estado brasileiro, pelo fortalecimento da integração sul-americana e de todos os movimentos que lutam pela construção de uma globalização solidária. 




Leitura Crítica da Mídia: ELIANE BRUM

O site da jornalista Eliane Brum reúne textos com análises profundas sobre a realidade. 

Eliane Brum  é escritora, repórter e documentarista. Autora dos livros de não ficção Coluna Prestes - o Avesso da Lenda, A Vida Que Ninguém vê, O Olho da RuaA Menina Quebrada, Meus Desacontecimentos e do romance Uma Duas

No cinema, foi codiretora e corroteirista do documentário Uma História Severina (2005) e Gretchen Filme Estrada (2010). Foi colunista da Revista Época e escreve para o jornal El País.















Leitura Crítica da Mídia: OUTRAS PALAVRAS

A equipe que fundou o Le Monde Diplomatique Brasil e o editava até março de 2009 lançou a Biblioteca Diplô, que oferece os mais de 2,5 mil textos publicados pelo jornal a partir de 1999. Também colocou no ar o site Outras Palavras. 
Ambos procuram retomar um jornalismo que se tornou conhecido pela profundidade e espírito crítico, agora associado às virtudes à revolução da web 2.0, das trocas par-a-par e da difusão não-mercantil de informação e outros bens culturais. 
Outras Palavras: http://outraspalavras.net/

Biblioteca Diplô: http://diplo.org.br/


Leitura Crítica da Mídia: TRABALHO ESCRAVO - REPÓRTER BRASIL/SAKAMOTO

A Repórter Brasil foi fundada em 2001 por jornalistas, cientistas sociais e educadores com o objetivo de fomentar a reflexão e ação sobre a violação aos direitos fundamentais dos povos e trabalhadores no Brasil. Devido ao seu trabalho, tornou-se um das mais importantes fontes de informação sobre trabalho escravo no país. Suas reportagens, investigações jornalísticas, pesquisas e metodologias educacionais têm sido usadas por lideranças do poder público, do setor empresarial e da sociedade civil como instrumentos para combater a escravidão contemporânea, um problema que afeta milhares de pessoas.

Site: http://reporterbrasil.org.br/



Leonardo Sakamoto é jornalista e doutor em Ciência Política. Cobriu conflitos armados e o desrespeito aos direitos humanos em Timor Leste, Angola e no Paquistão. Professor de Jornalismo na PUC-SP, é coordenador da ONG Repórter Brasil e seu representante na Comissão Nacional para a Erradicação do Trabalho Escravo.

Blog do Sakamoto: http://blogdosakamoto.blogosfera.uol.com.br/



Leitura Crítica da Mídia: MOBILIDADE URBANA - RAQUEL ROLNIK

Raquel Rolnik é arquiteta e urbanista, professora da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da USP e relatora especial do Conselho de Direitos Humanos da ONU para o Direito à Moradia Adequada.
Foi diretora de Planejamento da Cidade de São Paulo (1989-1992), coordenadora de Urbanismo do Instituto Pólis (1997-2002) e secretária nacional de Programas Urbanos do Ministério das Cidades (2003-2007), entre outras atividades profissionais e didáticas relacionadas à política urbana e habitacional.
É autora dos livros “A Cidade e a Lei”, “O que é Cidade” e “Folha Explica: São Paulo” e escreve quinzenalmente, às quartas-feiras, no Yahoo! Colunistas.
Blog da Raquel Rolnik: http://raquelrolnik.wordpress.com/

Site do Direito à Moradia: http://direitoamoradia.org/