sexta-feira, 5 de novembro de 2021

Leitura Crítica da Mídia: Crise Climática e a Amazônia, centro do mundo

Leia o livro “Banzeiro òkòtó - Uma viagem à Amazônia Centro do Mundo”, da jornalista Eliane Brum (editora Companhia das Letras). 

Neste vídeo, ela conversa com convidades da floresta e é como se fôssemos transportados para a Amazônia. São vozes normalmente caladas pela imprensa, que aqui ganham visibilidade, amplitude, corpo, emoção. 

Dica: Pode-se gerar discussões em sala de aula ou em encontros com movimentos sociais a partir de cada um dos depoimentos, que podem ser vistos separadamente, contextualizados dentro do momento histórico que vivemos. 

Sobre Amazônia, centro do mundo, veja também:


Assista ao vídeo AQUI, leia o livro!


quarta-feira, 1 de setembro de 2021

Leitura Crítica da Mídia: por que é importante proteger os dados de crianças e adolescentes?

 Já parou para pensar que, mesmo antes de nascer, crianças já têm seus dados pessoais coletados? Isso é assustador. E, de acordo com o UNICEF, o público infantil já constitui ⅓ dos usuários da internet. Imagine a quantidade de dados de crianças e adolescentes aos quais empresas, incluindo plataformas digitais, acabam tendo acesso. Um dos riscos disso é que informações como nome, idade, endereço, histórico de saúde e até gostos pessoais podem, de fato, ser usadas para manipular suas escolhas e comportamentos.

Leia a reportagem completa aqui: https://criancaeconsumo.org.br/noticias/dados-de-criancas-e-adolescentes/

Saiba mais assistindo a esse vídeo da UNICEF:





 

segunda-feira, 15 de março de 2021

Leitura Crítica da Mídia: Falar de doação de órgãos e transplantes é urgente

Por que é preciso falar de doações de órgãos e transplantes?

Porque doar órgãos é um gesto de amor à vida. E a doação só pode ser realizada a partir da autorização por escrito de um familiar do doador. Por isso, é fundamental conversar sobre o assunto em família, na escola, nas universidades, em todos os lugares.  


Em meio à pandemia de Covid-19, aumenta a luta de quem espera por transplante 


O texto a seguir foi publicado pelo jornal ExtraClasse no dia 8 de março de 2021. Ele faz parte de uma série de artigos que venho escrevendo ao longo dos anos para falar da importância da doação de órgãos e tecidos. Refere-se à situação no Estado do Rio Grande do Sul. Colocar-se no lugar de outra pessoa que precisa de um transplante de órgãos é a melhor maneira de entender o quão importante é ser um/a doador/a.



Somente no Rio Grande do Sul, são 1.749 pessoas na lista de espera, segundo a Associação Brasileira de Transplantes de Órgãos (ABTO). Dos adultos, 1.005 esperam por rim; 139, por fígado; 16, coração; 106, pulmão; um, pâncreas; dois, pâncreas e rim; e 428, córneas. Das crianças, 22 esperam por rim; nove, fígado; seis, coração; quatro, pulmão; e 11, córneas.

Rochelle Fraga Benites* é uma das pessoas que esperam por pulmão. Ela tem Histiocitose X, uma doença autoimune que atacou seus dois pulmões. Há três anos entrou para a lista de espera por um transplante duplo. Rochelle, que mantinha uma vida super ativa, com três filhos pequenos, que gostava de jogar futebol e andar de skate, hoje depende 24 horas de um cilindro de oxigênio.

Ela vive o terror diário de ficar sem ar quando falta luz, porque seu cilindro de oxigênio é abastecido pela energia elétrica, ou quando a Prefeitura não disponibiliza a quantidade de que precisa para se manter viva. E agora, com a suspensão dos transplantes, sua preocupação aumenta ainda mais.

*Há três anos na lista de espera por um transplante pulmonar duplo, Rochelle morreu em 19 de agosto de 2021. 




Em 11 de março, Dia Mundial do Rim, a Fundação Ecarta promoveu um diálogo virtual com Clotilde Druck Garcia, professora de Nefrologia da Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre (RS), médica da Nefrologia Pediátrica da Santa Casa de Porto Alegre e coordenadora do departamento de transplante pediátrico da Associação Brasileira de Transplantes de Órgãos (ABTO). Também participaram Fabiana Bender, transplantada renal há oito anos e acadêmica de Medicina, integrante da Associação Brasileira de Transplantados (ABTX), e Maria Lucia Kruel Elbern, psicóloga e psicanalista, mãe de transplantado renal e presidente da VIA Pró-Doações e Transplantes/VIAVIDA.

O vídeo resultante dessa conversa está disponível em https://www.youtube.com/watch?v=rDydq7rfQNo e pode também ser visto aqui: 







Em março de 2021, Maria Lucia deu a seguinte entrevista: 

Moradia e aconchego para quem segue na lista de espera 



Ser doador de órgãos e tecidos não dói, ao contrário. Faz com que a dor de uma família pela perda de um ente querido com morte encefálica seja amenizada. Consola. Ao doar os órgãos desta pessoa, é possível salvar muitas vidas. A psicóloga Maria Lucia Kruel Elbern teve essa certeza quando seu filho de 15 anos precisou de um transplante de rim e não encontrou ninguém compatível na família para doar o órgão, há 22 anos. Lucia começou então a frequentar hospitais, queria saber tudo sobre transplantes, e passou a percorrer escolas, empresas e outros eventos da Capital explicando que a doação de órgãos é um ato de amor e vida. 

A espera do filho de Maria Lucia por um rim durou um ano. Neste período, junto com mais voluntárias, contribuiu para aumentar em 30% as doações de órgãos no Estado. Foram aconselhadas pelos médicos a continuarem conscientizando. Ao conhecer pessoas que estavam na lista por um órgão e precisavam voltar para sua cidade, porque não tinham como se manter em Porto Alegre, tiveram a ideia de criar a Pousada Solidariedade, que abriga prioritariamente jovens até 18 anos no pré ou pós-transplante.

Hoje Maria Lucia é uma das responsáveis pelo projeto VIAVIDA, que atua em três áreas: educação, sustentabilidade e assistência. Segue realizando ações em escolas, como a contação da história “A tartaruguinha que perdeu o casco”, para levar informação sobre doação de órgãos e os cuidados com a saúde para evitar a necessidade de transplante.  Com a Covid-19, a Pousada teve de diminuir o número de hóspedes por questões sanitárias, mas entre os planos do VIAVIDA para 2021 está o de aumentar a capacidade da casa. Outro projeto, em fase de captação de recursos, tem apoio de profissionais da área médica e visa a contribuir para diminuir a negativa familiar.


Quer saber mais sobre Doações e Transplantes de Órgãos?



Caderno Especial Cultura Doadora: https://issuu.com/sinprors/docs/merged__5_

Associação Brasileira de Transplante de Órgãos (ABTO): https://site.abto.org.br/

Associação Brasileira de Transplantados (ABTX): https://www.abtx.com.br/




Como falar sobre o tema em sala de aula?


A Fundação Ecarta desenvolve o projeto Cultura Doadora que tem como objetivo contribuir na formação de uma cultura de solidariedade e de uma atitude proativa para a doação de órgãos e tecidos. Também visa à qualificação da infraestrutura de atendimento à saúde no Rio Grande do Sul. 

O projeto divulga uma série de reportagens e materiais pedagógicos para subsidiar educador@s na abordagem do tema em sala de aula dos diversos níveis de ensino. 

O lançamento da Cultura Doadora contou com a presença saudosa do cantor e compositor Luciano Leindecker:




Para assistir a todos os vídeos do lançamento, acesse aqui: https://youtube.com/playlist?list=PLLgQTZYUtGKXzRUgWAlOB3jZAJI7lhJgn


 








domingo, 21 de fevereiro de 2021

Leitura Crítica da Mídia: de que outro mundo possível estamos falando?


Em janeiro de 2021, devido à pandemia de Covid-19, o Fórum Social Mundial (FSM) teve uma versão virtual. Escrevi dois artigos sobre o FSM para o Jornal Extra Classe


FSM inicia com diálogos sobre estratégias e alianças.  

Para ler a matéria completa, clique AQUI: https://www.extraclasse.org.br/movimento/2021/01/fsm-inicia-com-dialogos-sobre-estrategias-e-aliancas/



O "outro mundo possível" tem economias transformadoras e soberania digital.

Para ler a matéria completa, clique AQUI: https://www.extraclasse.org.br/movimento/2021/02/o-outro-mundo-possivel-tem-economias-transformadoras-e-soberania-digital/



Reproduzo abaixo um trecho da entrevista com Javier Tolcachier, cofundador do Fórum Internet Cidadã, publicado no jornal Extra Classe: 

"O capitalismo se renovou, e hoje o extrativismo digital (ou de dados) faz as empresas de tecnologia disputarem o mercado, valendo tanto ou mais que o petróleo, a indústria automotiva e a venda de armas, alertou, por sua vez, da Argentina, Javier Tolcachier, integrante do Fórum Internet Cidadã.

Tolcachier, que é pesquisador do Centro Mundial de Estudos Humanistas e comunicador da agência Pressenza, informou que o Fórum Internet Cidadã está concluindo um diagnóstico sobre os impactos da Era Digital e em março de 2021 deverá acontecer uma plenária do movimento para traçar um plano de ação comum.

Ele cita elementos que devem estar na estratégia de ação: 1) denunciar a violação de direitos à proteção de dados e criar consciência da necessidade de uma ação coletiva: 2) incorporar a soberania digital no programa de luta em eixos transversais comuns; 3) potencializar alternativas existentes e mudar hábitos de uso; 4) apoiar projetos políticos de emancipação digital".


Assista no vídeo a entrevista completa.  

Ou acesse direto no Canal Ideias e Experiências do Youtube: 






Obs: É possível acionar a legenda em espanhol. Devido a problemas de conexão com a Internet no dia da gravação, a imagem não tem uma qualidade técnica muito boa, pelo qual peço a compreensão de todes. 



quarta-feira, 17 de fevereiro de 2021

Leitura Crítica da Mídia: Centenário de PAULO FREIRE

A Série Cartões Pedagógicos - "Paulo Freire fisgado pelo olhar das Artes" foi lançada em janeiro de 2021 como parte da Campanha Latino-Americana e Caribenha em Defesa do Legado de Paulo Freire. É composta por cartuns e ilustrações especialmente criados por artistas gráficos independentes e integrantes da GRAFAR/RS para comemorar os 100 anos do educador Paulo Freire em 19 de setembro de 2021.  

A sugestão é que os cartões incentivem diálogos sobre quem foi Paulo Freire e de que forma suas ideias e metodologias estão presentes no nosso dia a dia. Pode-se estimular que estudantes desenhem e criem seus próprios cartões e exercitem a educação libertadora propagada por Freire. 



Clique no vídeo abaixo e conheça os cartões: 



Entre @s artistas que produziram e doaram suas artes para esta Série estão Alisson Affonso, Aline Daka, Amaro Abreu, Bier, Edgar Vasques, Fabiane, Latuff. Leandro Bierhals, Natália Forcat, Santiago, Schröder e Vecente.  No canal do Freireando POA no Youtube, é possível assistir ao vídeo de cada artista explicando de onde tirou sua inspiração para fazer seu cartão.  

Os Cartões Pedagógicos são uma promoção do Conselho de Educação Popular da América Latina e do Caribe (CEAAL) e do movimento Freireando Porto Alegre (RS). 



PERGUNTAS GERADORAS 


Os vídeos a seguir também podem ser usados em sala de aula. Nos dois primeiros, há perguntas geradoras que servem de sugestão para os diálogos. 




EDUCAÇÃO POPULAR E O INÉDITO VIÁVEL






EDUCAÇÃO POPULAR E ESPERANÇAR FREIREANO




PAULO FREIRE E O CONCEITO DE BONITEZA






Leitura Crítica da Mídia: o impacto da pandemia de Covid-19 nas músicas

O distanciamento social, as mortes e o contexto de racismo e preconceitos relacionados à pandemia de Covid-19 e à realidade social brasileira estão presentes em músicas que podem ser usadas em aulas e encontros para falar sobre o tema. 


Seguem alguns exemplos: 


Inumeráveis: Chico César e Mônica Salmaso






É tudo pra ontem: Emicida e Gilberto Gil






2 de junho - Adriana Calcanhoto






Change is Coming - Coral TAPIOLA 

Baseado no discurso "No one Is Too Small To Make A Difference" (Ninguém é pequeno demais para fazer a diferença) de Greta Thunberg, 2019 

(se necessário, acione a legenda automática)





terça-feira, 1 de dezembro de 2020

Leitura Crítica da Mídia: dicas para usar nas aulas virtuais emergenciais

Material de apoio (e inspiração) para oficina de aulas virtuais emergenciais:


TARSILINHA


Zeca Baleiro e Ná Ozzetti cantam a música tema do filme de animação Tarsilinha, produzido pela Pinguim Content. O longa metragem é inspirado na obra de Tarsila do Amaral e conta a história de Tarsilinha, uma menina de 8 anos que embarca numa jornada incrível para recuperar as memórias roubadas de sua mãe.

A canção, composta especialmente para o filme, ressalta a brasilidade presente no longa, especialmente nas suas cores, paisagens e personagens originários da cultura brasileira, como a Cuca e o Saci. “A canção fala da travessia da personagem Tarsilinha por um mundo desconhecido, algo como uma realidade paralela, cheia de perigos e ameaças. Como em toda fábula, essa viagem é uma história de descoberta e autoconhecimento. A música é um baião bem brasileiro com uma pequena alusão à obra de Villa-Lobos”, comenta Zeca Baleiro.

 



A HORA DO BLEC



Criada pelos atores Yasmin Garcez e David Junior, fala de sustentabilidade e quebra de estereótipos 






COMIDA QUE ALIMENTA



O vídeo Comida que Alimenta é uma realização do Centro Sabiá, vinculado ao projeto Trabalho, Renda e Sustentabilidade no Campo, patrocinado pela Petrobras. O projeto busca fortalecer as experiências de agricultura Agroflorestal de base Agroecológica na Zona da Mata Sul de Pernambuco, além de ter um forte componente de agregação de valor à produção da agricultura familiar desse território, com a instalação de Unidades de Beneficiamento de frutas e de mel, para atender principalmente as compras institucionais via Programa de Aquisição de Alimentos - PAA e Programa Nacional de Alimentação Escolar – PNAE, e o mercado turístico do território. Além de buscar fortalecer a estratégia de comercialização direta produtor/consumidor via Feiras Agroecológicas.






MÁRCIA DO CANTO E A ARTE DE CONTAR HISTÓRIAS


A pedagoga e atriz Márcia do Canto dá dicas de brincadeiras, livros, exercícios de contação de histórias.



HISTÓRIA DE BOCA (ÁUDIOS = PODCAST)

Quer incentivar a imaginação através da língua portuguesa? Aqui você vai encontrar histórias para crianças, (re) contadas pelos atores Bia Borinn e Eduardo Munniz. 

Acesse clicando na palavra AQUI









Inspira, expira, inspira...


A ESCOLA NO MUNDO DIGITAL 
Um guia sobre proteção de crianças e adolescentes no uso de tecnologias nas escolas


Este é um material para famílias, educadores e gestores escolares. No site, o texto está dividido em módulos para facilitar a navegação por cada tema.

Para acessar, clicar na palavra AQUI





INSTITUTO ALANA

Acesse aqui: https://alana.org.br/

O Alana é uma organização de impacto socioambiental que promove o direito e o desenvolvimento integral da criança e ​fomenta​ novas formas de bem viver.





POVOS INDÍGENAS DO BRASIL MIRIM

O Instituto Socioambiental (ISA) é uma Organização da Sociedade Civil de Interesse Público (Oscip), fundada em 22 de abril de 1994, por pessoas com formação e experiência marcantes na luta por direitos sociais e ambientais. Tem como objetivo defender bens e direitos coletivos e difusos, relativos ao meio ambiente, ao patrimônio cultural, aos direitos humanos e dos povos indígenas e tradicionais. O ISA produz estudos e pesquisas, implanta projetos e programas que promovam a sustentabilidade socioambiental, valorizando a diversidade cultural e biológica do país.

O Povos Indígenas no Brasil Mirim faz parte deste projeto. Criado a partir do site Povos Indígenas no Brasil, pretende, por meio de material destinado à pesquisa escolar – no qual temas centrais se desdobram em uma série de questões organizadas pela equipe do ISA – que tem como objetivo apresentar a diversidade de povos, romper com a ideia de "todos os índios são iguais" e despertar o interesse e o respeito das crianças às culturas indígenas existentes no Brasil. Tudo isso escrito em linguagem acessível ao público infanto-juvenil.

Abaixo, um exemplo de um dos vídeos disponíveis neste site: