sábado, 7 de dezembro de 2013

Leitura Crítica da Mídia: Eles mandam

Projeto mapeia quem manda no Brasil

Especial da Repórter Brasil mostra quem são e como estão conectadas as pessoas que controlam as maiores empresas em atividade no país
Por Repórter Brasil | Categoria(s): Notícias
Você sabia que grandes empresas brasileiras estão conectadas através de pessoas que têm assento em seus conselhos? A Repórter Brasil identificou essas relações existentes, que envolvem as maiores corporações e fundos de pensão do país. Elos que muita gente nem imagina que existam.
O resultado dessa investigação está disponível em uma plataforma digital  na qual o internauta pode criar suas próprias redes, descobrindo relações nos setores que mais lhe interessam. O leitor também pode imprimir esses mapas criados ou enviá-los por redes sociais. O objetivo é transformar um assunto importante, mas que pode ser bem chato, em algo divertido. Textos de apoio acompanham a plataforma para ajudar a explicar o que significam tantas conexões.
Reprodução de diagrama gerado a partir de pesquisa no site do projeto "Eles Mandam"
Reprodução de diagrama gerado a partir de pesquisa no site do projeto “Eles Mandam”(clique para ampliar)
O que é um Conselho? – Em um prédio, o condomínio elege por votação dos presentes um síndico e um conselho, que interagem aprovando contas, avaliando obras e o desempenho dos funcionários. Nas empresas, não é diferente. Os executivos são nomeados pelo Conselho de Administração, que define metas, orienta as estratégias de curto, médio e longo prazo, além de zelar pela missão e valores de cada companhia.
O Conselho de Administração é uma obrigação legal de uma empresa de capital aberto (cujas ações estão listadas em bolsa e estão pulverizadas entre milhares de acionistas no Brasil e exterior, o que força um compromisso maior com a transparência). E é uma tendência crescente também em companhias de capital fechado, em que os acionistas não prestam contas com tanta transparência, por não terem essa obrigação. Mas que atraem maior interesse quando pequenas, médias e grandes empresas de capital fechado buscam capital de investidores para crescer. Para obter esses recursos de terceiros, um dos requisitos é melhorar a “governança” corporativa e criar conselhos em que os fundadores possam discutir as estratégias com os investidores.
Como foi feita a investigação? – “Eles Mandam” é uma investigação da Repórter Brasil, com o apoio da Fundação Friedrich Ebert, inspirado no They Rule, que mostra quem são os que ocupam os assentos nos conselhos das maiores empresas dos Estados Unidos, possibilitando identificar redes de relacionamentos entre elas. Esta versão brasileira foi produzida com a permissão dos responsáveis pela iniciativa norte-americana.
Uma extensa pesquisa nos sites, balanços e comunicados das próprias empresas levantou nomes e perfis de quem se senta em seus Conselhos de Administração. A escolha das empresas foi baseada em “Melhores e Maiores – As 1000 Maiores Empresas do Brasil”, organizado pela revista Exame, da Editora Abril, edição de 2013, tomando como referência as 100 maiores empresas e as 50 maiores holdings. Para a escolha dos Fundos de Pensão, levou-se em consideração os dez maiores que, coincidentemente, contam com uma carteira de investimentos igual ou superior a R$ 10 bilhões, de acordo com a Associação Brasileira das Entidades Fechadas de Previdência Complementar (Abrapp). Portanto, pesquisou-se as 100 maiores empresas, os 50 maiores grupos econômicos e os dez maiores fundos. O resultado não é 160, mas 141 porque há sobreposição entre as maiores empresas e os maiores grupos*.
* Texto atualizado na manhã desta quarta-feira, dia 4, para inclusão de informações.

domingo, 6 de outubro de 2013

Leitura Crítica da Mídia: CRIANÇAS - Campanha de Doação de Medula Óssea pelo Youtube



Ao som de What doesn’t kill you make you stronger (O que não te mata, te faz mais forte), da música Stronger, cantada por Kelly Clarkson, pacientes, pais, médicos e funcionários do Hospital Nossa Senhora das Graças, em Curitiba, Paraná, fizeram um vídeo para estimular o transplante de medula óssea no Brasil. Publicado  no Youtube, em menos de 48 horas ele já tinha sido visto por mais de 26 mil pessoas. A ideia do vídeo foi uma iniciativa de Hermes Lima Ribeiro, irmão do hematopediatra Lisandro Lima Ribeiro. Ele estava em Nova York para trazer a medula coletada de um doador e lá tocava essa música no rádio o tempo todo. Quando voltou ao Brasil, pesquisou na Iinternet, e o primeiro resultado da busca foi um vídeo produzido pelo Children’s Hospital em Seattle, feito pelas crianças internadas. Hermes e Lisandro tiveram a ideia de fazer um vídeo semelhante para estimular a doação de medula óssea. É um exemplo de como a Internet, e mais especificamente o Youtube, podem ser usados para beneficiar a sociedade. 

Leitura Crítica da Mídia: CRIANÇAS - "Os otimistas revolucionários" da Índia



E se você vivesse num lugar que não aparece no mapa? Essa pergunta gerou o documentário The Revolutionary Optimists (Os Otimistas Revolucionários), que mostra como crianças das favelas de Kolkata, na Índia, criaram seu próprio mapa, pois suas casas não apareciam no Google Maps. O objetivo era também organizar uma campanha de vacinação contra a poliomielite. Graças a esta iniciativa, e aos chamados feitos pelas crianças com um megafone de papelão, 80% das crianças foram vacinadas e a população de Kolkata deixou de ser "invisível". Para isso, foram usados um GPS e um celular fornecidos por um integrante do atual projeto Map Your World (mapeie o seu mundo), uma plataforma multimídia que coloca as novas tecnologias nas mãos de agentes jovens transformadores, permitindo a eles mapear, rastrear e melhorar a saúde de suas comunidades - e então compartilhar suas histórias de transformação entre eles e com o mundo. O projeto começou por inspiração de Os Otimistas Revolucionários

segunda-feira, 9 de setembro de 2013

Leitura Crítica da Mídia: Vídeos para pensar (tempos modernos?)

O adivinho






Esqueci meu celular...




Desconectar para Conectar








Representações de Gênero na Publicidade



segunda-feira, 2 de setembro de 2013

Leitura Crítica da Mídia: Storyhunter

Storyhunter ajuda jornalistas multimídia a contar histórias ignoradas

8/28/13

Image: Jennifer Utz: Traditional forms of media are finding second homes and new audiences on the web
Quando os jornalistas Elie Gardner e Oscar Durand leram um comunicado de imprensa sobre uma aula de aeróbica enorme que seria realizada dentro de um dos presídios mais famosos da América Latina, eles sabiam que devia ter uma história mais significativa por trás.
Poucos dias antes do evento, Gardner e Durand sugeriram uma ideia de pauta para o Storyhunter, uma rede de produção de vídeo online para jornalistas profissionais, propondo um vídeo de dentro da prisão de Lima, Peru. O Storyhunter rapidamente deu luz verde para começarem a trabalhar e o apoio de que precisavam para realizar o projeto.
Em pouco tempo, matéria de Gardner e Durand foi publicada no Storyhunter.tv e nos canais de língua espanhola e portuguesa no Yahoo. O vídeo foi destacado pela equipe do Vimeo e fez com que Gardner e Durand fossem Storyhunters do Mês.
O Storyhunter, que foi lançado há um ano, tem como objetivo ajudar os jornalistas de vídeo freelance contar histórias importantes que são ignoradas pelo mundo. Além de fornecer apoio editorial, o Storyhunter lida com vendas e distribuição para que os jornalistas possam se concentrar em fazer vídeos.
"Perguntamos: 'Será que o mundo vai ser um lugar melhor, mais informado se mostrarmos isso?'", diz o co-fundador do Storyhunter Jaron Gilinsky, que trabalhou como jornalista freelance de vídeo por oito anos antes de iniciar o Storyhunter.
O site é aberto a produtores, editores, cinegrafistas e documentaristas talentosos, que devem se inscrever para fazer parte da rede. Os vídeos podem ser em qualquer idioma, mas o cineasta deve ser capaz de fornecer a traduções em inglês, francês, português ou espanhol. Em resumo, o Storyhunter está à procura de jornalistas que podem lidar com edição de vídeo e dirigir seu próprio programa.
"Gostamos de trabalhar com pessoas que podem fazer tudo", diz Gilinsky.
Uma vez aceito na rede, os videomakers têm acesso a um serviço de tarefas global e pode começar a propor histórias ou colaborar em projetos com outros membros. Para cada tarefa, o Storyhunter fornece diretrizes e guias de estilo para ajudar a desenvolver uma narrativa mais rica e produzir reportagens melhores. Atualmente, o site conta com cinco categorias de vídeos: por trás da notícia, documentário, notícias, perfis e investigação.
"Queremos encontrar personagens que estão por trás da notícia, por trás do que você está vendo nas últimas notícias", diz Gilinsky. "Queremos abordar para a reportagem em um nível muito mais profundo para dar uma perspectiva que seja mais memorável e profunda."
Os videos completos, que podem durar até sete minutos, são transmitidos no Storyhunter.tv e distribuídos a uma série de sites de notícias conhecidos. O Storyhunter trabalha com a MSN, Yahoo na América Latina, a revista Economist e o jornal Miami Herald. Também anunciou um novo acordo com a AOL para se tornar um "parceiro de destaque" nos vídeos de notícias em sua plataforma de conteúdo premium. Videos em inglês do Storyhunter serão distribuídos na AOL através de um canal com a marca Storyhunter.
Uma vez que o corte final do vídeo é enviado, os freelancers são pagos dentro de quatro semanas, por meio de depósitos bancários diretos ou Paypal. O pagamento varia de acordo com a tarefa, mas é tipicamente US$1.000 por um pacote de quatro a seis minutos. O Storyhunter só compra reportagens editadas, não sequências de vídeo, o que significa que os jornalistas são livres para reutilizar as imagens ou fazer um documentário mais longo.
"Nós permitimos que as pessoas façam seu trabalho, ao lidarmos com a parte editorial e conseguir que a reportagem seja comprada e distribuída", diz Gilinksy. "Acreditamos que se podemos fazer isso pelas pessoas, podemos realmente ajudar os jornalistas de vídeo atuais e tornar isso viável para as pessoas que querem fazer disso para uma carreira."


Para mais informações e fazer parte da rede, visite o Storyhunter.

sexta-feira, 9 de agosto de 2013

Leitura Crítica da Mídia: CRIANÇAS - MEIA INFÂNCIA / Desafios do combate ao trabalho infanto-juvenil

Meia Infância: projeto da Repórter Brasil em parceria com a Fundação Telefônica, é parte da campanha "Trabalho infantil e adolescente: é da nossa conta!".  A cada semana, até o fim de 2013, são publicadas reportagens discutindo um aspecto diferente do problema. 

http://reporterbrasil.org.br/trabalhoinfantil/reportagens/


quarta-feira, 7 de agosto de 2013

Leitura Crítica da Mídia: CRIANÇAS - INSTITUTO ALANA - Vídeos "Muito além do peso" e "Criança, a alma do negócio"

Instituto Alana: organização da sociedade civil sem fins lucrativos que trabalha para encontrar caminhos transformadores que honrem a criança. Para tanto, atua em um amplo espectro em busca de garantir condições para a vivência plena da infância, fase essencial na formação humana. São quatro frentes de atuação: Alana Comunidade, Alana Educação, Alana Defesa e Alana Futuro.

http://alana.org.br/


Vídeos produzidos pelo Instituto Alana:

MUITO ALÉM DO PESO

CRIANÇA, A ALMA DO NEGÓCIO

segunda-feira, 5 de agosto de 2013

Leitura Crítica da Mídia: OUTROS ESPAÇOS DE COMUNICAÇÃO

Rádio Nikosia (Barcelona, Espanha): Nikosia es una emisora transversal que se abre al público usando distintos canales de comunicación. Emite desde lo que llaman "locura". Es la primera del estado español realizada por personas que han sido diagnosticadas de alguna problemática mental. Nuestro objetivo principal es generar un canal de comunicación social, libre y autonómo, para poder luchar contra el estigma que conllevan estas problemáticas, apoyando también a todos los colectivos sociales que de alguna u otra manera son estigmatizados.  

Nikosia es un medio de comunicación concebido como servicio público y social, abierto a toda la comunidad. Es además una experiencia que busca vías alternativas en el área de la salud mental para aportar bienestar y dar acogimiento a las personas afectadas. Lo hace utilizando la radio como medio de expresión y visibilización social, pero también explorando distintas vías como la del arte en tanto modo de expresión que puede desembocar en un tipo de bienestar.

Nikosia interviene a través de los medios de comunicación y utiliza la radio como medio.







Projeto Cala-Boca Já Morreu: tem como principal objetivo criar oportunidades para que as pessoas, independente da idade, origem e condição social, exerçam o direito à produção de comunicação. 

http://cbjmbr.blogspot.com.br/







sábado, 20 de julho de 2013

Leitura Crítica da Mídia: DONOS DA MÍDIA

Projeto Donos da Mídia reúne dados públicos e informações fornecidas pelos grupos de mídia para montar um panorama completo da mídia no Brasil. Aqui estão detalhadas diversas informações sobre os seguintes tipos de veículos: emissoras e retransmissoras de TV; rádios AM, FM, Comunitárias, OT e OC; operadoras de TV a cabo, MMDS e DTH; canais de TV por assinatura; e as principais revistas e jornais impressos.


Este projeto nasceu ainda na década de 80, a partir de um trabalho pioneiro elaborado pelo jornalista Daniel Herz. Sua fase pública tornou-se viável após o surgimento de recursos disponibilizados pelas novas tecnologias de informação e de comunicação. Também contribuiu para isso a publicização de dados sobre concessões e permissões de emissoras de rádio e televisão, além das participações societárias destas entidades, que passaram a ser difundidos por sistemas interativos da Agência Nacional de Telecomunicações e do Ministério das Comunicações.



Leitura Crítica da Mídia: MEIO AMBIENTE - ECOAGÊNCIA


A EcoAgência Solidária de Notícias Ambientais foi criada por voluntários do Núcleo de Ecojornalistas do Rio Grande do Sul – NEJ/RS, em 2003, no Fórum Social Mundial, em Porto Alegre, quando os ecojornalistas perceberam que as pautas de meio ambiente recebiam pouca atenção da imprensa.

O NEJ/RS, pioneiro no país, foi fundado em Porto Alegre em 22 de junho de 1990.  A partir de sua experiência, surgiram outros núcleos no Brasil. Por iniciativa do NEJ/RJ foram criadas a Rede Brasileira de Jornalismo Ambiental em 1998, e a Rede de Comunicação Ambiental da América Latina e do Caribe em 2000. 

Além da Ecoagência, o NEJ/RS mantém o programa de rádio Sintonia da Terra, na Rádio da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, em Porto Alegre. O programa vai ao ar às quintas-feiras, às 10h05min e é disponibilizado para download no site da Ecoagência, podendo ser reproduzido gratuitamente. Mensalmente, às terças-feiras, o NEJ/RS promove o evento "Terças Ecológicas" que reúne especialistas para debates abertos ao público. 


Site da Ecoagência: http://www.ecoagencia.com.br/


Leitura Crítica da Mídia: MULHERES

Coletivo Feminino Plural: organização fundada em 1996, em Porto Alegre, Rio Grande do Sul, atua no movimento de mulheres por meio de articulações locais, regionais, nacionais e internacionais, integrando redes e campanhas, propugnando por políticas públicas, o cumprimento dos instrumentos nacionais e internacionais de direitos humanos das mulheres e o fim de todas as formas de violências e discriminações sobre mulheres e meninas. Trabalha pelo empoderamento feminino e integra grupos de relatoria e monitoramento das Convenções e Tratados Internacionais. Presta assessoramento e consultoria sobre políticas públicas, ministra cursos e capacitações.

http://femininoplural.org.br/site/




Rede Nacional Feminista de Saúde, Direitos Sexuais e Direitos Reprodutivos: articulação política nacional do movimento de mulheres, feminista e antirracismo, fundada em 1991. Tem abrangência nacional, estando composta por 12 Regionais organizadas no Pará, Paraíba, Paraná, Pernambuco, Goiás, Bahia, Minas Gerais, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul, São Paulo, Santa Catarina e Distrito Federal. Está presente em cerca de 30 instâncias nacionais, governamentais e não-governamentais que incidem sobre as políticas públicas de saúde. Integra relatorias nacionais e internacionais de saúde e direitos humanos das mulheres. 







Comitê da América Latina e do Caribe para os Direitos da Mulher (CLADEM/Brasil): rede feminista que trabalha para contribuir à plena vigência dos direitos das mulheres na América Latina e Caribe, utilizando o direito como um instrumento de mudança. Conta com status consultivo na Categoria II perante as Nações Unidas desde 1995 e goza de reconhecimento para participar nas atividades da OEA desde 2002.


http://www.cladem.org/index.php





Núcleo Interdisciplinar de Estudos sobre Mulher e Gênero (NIEM/UFRGS): vinculado ao Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, conta com a participação de professoras/es, pesquisadoras/es, funcionárias/os e alunas/s de diversas áreas. Atua desde 1984 como articulador dos segmentos feminino e masculino junto ao meio acadêmico e como elemento de ligação entre a Universidade e a Comunidade Rio-grandense. Fomenta o ensino e a pesquisa sobre a Questão da Mulher e as Relações de Gênero por meio da realização de programas e eventos junto aos meios científicos e feministas locais, nacionais e internacionais.




Articulação de Organizações de Mulheres Negras Brasileiras: tem como missão promover uma política articulada de ONGs de mulheres negras brasileiras na luta contra o racismo, o sexismo, a opressão de classe, a lesbofobia e outras formas de discriminação, contribuindo para a transformação das relações de poder e para a construção de uma sociedade equânime.

http://www.amnb.org.br/site/






Associação Casa da Mulher Catarina: grupo feminista autônomo organizado desde maio de 1989 em Florianópolis, é um projeto de extensão do Departamento de Saúde Pública da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Promove seminários, palestras, oficinas, cursos e programas de capacitação nas ações de controle social dentro da perspectiva de gênero, raça/etnia, em conjunto com as prefeituras municipais, governos estaduais, diversos Ministérios, demais grupos e redes feministas.Participa da formulação e reivindicação de políticas visando fortalecer a condição feminina. Presta consultoria sobre todos os temas em que atua. 


http://www.casadamulhercatarina.com.br/




Comissão de Cidadania e Reprodução (CCR):  fundada em 1991, com sede em São Paulo, no  Centro Brasileiro de Análise e Planejamento (CEBRAP), reúne profissionais das áreas de ciências sociais, médicas, humanas e jurídicas e incide sobre as realidades nacionais, produzindo informação e gerando subsídios para a atuação de movimentos sociais e a formulação e monitoramento de políticas públicas. Através da realização de pesquisas, do desenvolvimento de metodologias inovadoras de atuação e pela produção de conhecimento e de debates, a CCR potencializa o pensamento estratégico e o fluxo de informações entre diferentes segmentos da sociedade. 


http://www.ccr.org.br/





ECOS - Comunicação em Sexualidade: organização não-governamental com sede em São Paulo, tem 20 anos de atuação consolidada na defesa dos direitos humanos com ênfase nos direitos sexuais e direitos reprodutivos, em especial de adolescentes e jovens, com a perspectiva de erradicar as discriminações relativas a gênero, orientação sexual, idade, raça/etnia, existência de deficiências, classe social.  As atividades estão estruturadas em cinco eixos: comunicação, projetos e pesquisas, educação continuada e capacitação, advocacy e consultoria. 

http://www.ecos.org.br/index2.asp


Gestos - Soropositividade, Comunicação e Gênero: fundada em maio de 1993, com sede em Recife, Pernambuco, a Gestos tem por objetivo defender os Direitos Humanos das pessoas soropositivas para o HIV e das populações vulneráveis às doenças sexualmente transmissíveis e ao vírus que provoca a AIDS. A instituição atua nas áreas de Educação, Comunicação e Políticas Públicas na perspectiva da Cidadania Sexual, Equidade de Gênero e Justiça Social. Além de programas realizados junto às populações de baixa renda, a Gestos monitora e incide em políticas públicas, em atuação que alcança espaços de controle social nas esferas local, regional e internacional, bem como em conselhos municipais, estaduais, nacionais e em articulação direta no espaço das Nações Unidas e suas agências. 









Instituto Brasileiro de Inovações pró-Sociedade Saudável/Centro Oeste (IBISS/CO)criado em 1993, tornou-se autônomo em 2000. Executa ações com grupos em situação de vulnerabilidade e discriminação, estimulando o protagonismo e a visibilidade sócio-política. Entre os serviços que presta estão a construção de metodologias e ferramentas sociais envolvendo lideranças e organizações de base; assessoria a gestores públicos e organizações não-governamentais; articulação de ações, políticas e atores sociais com vistas ao empoderamento coletivo; pesquisa, monitoramento e avaliação do impacto de grandes projetos de desenvolvimento e políticas públicas; extensão universitária com formação de estudantes por meio de estágio e apoio à pesquisa; produção de publicações, participação em mesas de conversação, capacitação e debates.

http://www.ibiss-co.org.br/site/



Plataforma DHESCA Brasil: articulação nacional de 36 movimentos e organizações da sociedade civil que desenvolve ações de promoção, defesa e reparação dos Direitos Humanos Econômicos, Sociais, Culturais e Ambientais (abreviados em Dhesca), visando ao fortalecimento da cidadania e à radicalização da democracia. Atua em três frentes: Monitoramento em Direitos Humanos no Brasil; Integração Regional e Relatorias de Direitos Humanos.

http://www.dhescbrasil.org.br/



THEMIS Gênero, Justiça e Direitos Humanos: criada em 1993 por um grupo de advogadas e cientistas sociais feministas com o objetivo de enfrentar a discriminação contra mulheres no sistema de justiça. Sua missão é ampliar as condições de acesso à justiça. É uma organização não-governamental com sede em Porto Alegre (RS/Brasil).
http://themis.org.br/





Agência Patrícia Galvão: iniciativa do Instituto Patrícia Galvão, criada em 2009 para atuar na produção de notícias e conteúdos sobre os direitos das mulheres brasileiras. Pretende dar maior amplitude à cobertura jornalística, influindo no comportamento editorial sobre problemas, propostas e prioridades que atingem 51% da população do país: as mulheres.

http://www.agenciapatriciagalvao.org.br/







sexta-feira, 19 de julho de 2013

Leitura Crítica da Mídia: ALiados - Rede de Jornalismo Independente

Veículos digitais de jornalismo independente da América Latina juntam-se em nova associação


Da esq. para a dir.: Martín Rodríguez Pellecer (Plaza Pública), Gustavo Gorriti (IDL-Reporteros), Graciela Mochkofsky y Gabriel Pasquini (el puercoespín), Daniel Moreno (Animal Político), Mónica González (CIPER), Carlos Dada (El Faro), Patricio Fernández (The Clinic), Juanita León (La Silla Vacía) e Natalia Viana (Agencia Pública).
Dez veículos digitais de jornalismo investigativo da América Latina reuniram esforços e criaram a ALiados, uma rede para fortalecer a cooperação mútua e buscar novas formas de sustentabilidade para o jornalismo independente. A ALiados nasceu em Buenos Aires, no dia 15 de junho, onde representantes desses veículos encontraram-se para discutir e assinar um manifesto de fundação, a Declaração de Al Maitén.
Fazem parte da ALiados a Agência Pública (Brasil), Animal Político (México), CIPER (Chile), Confidencial (Nicarágua), El Faro (El Salvador), El Puercoespín (Argentina), IDL-Reporteros (Peru), La Silla Vacía (Colombia), Plaza Pública (Guatemala) e The Clinic (Chile). Embora muito diferentes entre si, os veículos têm diretrizes comuns, expressos na Declaração: "qualidade profissional, transparência de procedimentos, independência de poderes políticos e econômicos e a precisão factual com que informam sobre realidades da América Latina e do mundo de uma forma que não fazem os veículos tradicionais da região".
Muitos dos membros da ALiados já se conheciam e haviam se reunido em maio deste ano durante o 6o Colóquio Íbero-Americano sobre Jornalismo Digital, onde nasceu o embrião da associação. Organizado pelo Centro Knight na Universidade do Texas, em Austin, o Colóquio tratou de questões-chave do jornalismo digital, como sustentabilidade, diversificação de renda e aumento de tráfego e de audiência.
"Foi um encontro muito produtivo, com um foco claro em colaboração e sustentabilidade", avalia o professor Rosental Calmon Alves, diretor e fundador do Centro Knight, que também esteve presente em Buenos Aires para a fundação da ALiados. "Sites de notícias independentes do México a Argentina discutiram formas de ajudar uns aos outros para desenvolver estratégias para financiar o jornalismo profissional e de qualidade que eles praticam em seus países. Os sites são bem diferentes uns dos outros, mas estão unidos em torno desse objetivo comum: produzir jornalismo de qualidade e contribuir para a democracia e transparência em seus países".
Em busca de novas formas de sustentabilidade para o jornalismo investigativo digital, a ALiados organizará programas e iniciativas conjuntas, como o apoio de doadores e do público. Para Gabriel Pasquini, diretor do site argentino El Puercospín e um dos organizadores da rede, a constrção de redes "é um passo inevitável do desenvolvimento do jornalismo digital, especialmente em uma região do mundo onde compartilhamos um idiomas e, em muitos casos, temas e problemas que ultrapassam fronteiras".
Conheça um pouco mais os membros da rede ALiados:
  • Agência Pública (Brasil): Agência digital de jornalismo investigativo, cobre principalmente violações de direitos humanos na ditadura militar, megainvestimentos na Amazônia e a Copa do Mundo de 2014 no Rio de Janeiro.


  • Animal Político (México): Portal de noticias focado em informação política, reivindica uma linguagem diferente daquela usada pelos veículos tradicionais.


  • CIPER (Chile): O Centro de Investigação Jornalística é uma fundação sem fins lucrativos, criada para desenvolver reportagens de investigação segundo princípios da máxima qualidade e integridade profissional.


  • Confidencial (Nicarágua): fundado em 1996 como semanário de informação e análise, em 2010 se transformou em jornal digital interativo, mantendo sua edição impressa. Foca em conteúdos multimídia em parceria com programas de televisão.


  • El Faro (El Salvador): nasceu em 1998, quase uma década antes de a revolução digital absorver a indústria jornalística e quando El Salvador havia acabado de sair de uma guerra civil violenta. Focado em jornalismo crítico do poder.


  • Plaza Pública (Guatemala): veículo online de análise, investigações e debates, fundado em 2011 pela Universidade Rafael Landívar. Publica reportagens sobre as dinâmicas do poder que atentam contra a dignidade da população.


  • The Clinic (Chile): mistura sátira e humor político à crítica social. Nasceu em 1998 como um panfleto impresso para zombar do ex-ditador Agusto Pinochet.É a revista mais lida do Chile, e seu site é igualmente popular.

segunda-feira, 15 de julho de 2013

Leitura Crítica da Mídia: OBSERVATÓRIO DE FAVELAS

O Observatório de Favelas é uma organização social de pesquisa, consultoria e ação pública dedicada à produção do conhecimento e de proposições políticas sobre as favelas e fenômenos urbanos. Busca afirmar uma agenda de Direitos à Cidade, fundamentada na ressignificação das favelas, também no âmbito das políticas públicas.
Criado em 2001, o Observatório é desde 2003 uma organização da sociedade civil de interesse público (OSCIP). Com sede na Maré, no Rio de Janeiro, sua atuação é nacional. Foi fundado por pesquisadores e profissionais oriundos de espaços populares, sendo composto atualmente por trabalhadores de diferentes espaços da cidade.